terça-feira, 18 de maio de 2010

Previdência privada na versão empresarial

Produto se espalha para empresas de médio porte, como um atrativo para manter funcionários especializados e não perder talentos

Rosa Falcão - rosafalcao.pe@dabr.com.br

Um novo mercado se abre na previdência complementar. São os planos empresariais de previdência privada. Antes contratados apenas pelos altos executivos das empresas de grande porte, hoje esse produto se espalha para empresas de médio porte, como um atrativo para manter funcionários especializados e não perder talentos. De janeiro a março deste ano os planos empresariais de previdência cresceram 17,95% no país, com captação de R$ 1,4 bilhão. Enquanto os planos individuais arrecadaram R$ 8,3 bilhões no período, o que corresponde ao crescimento de 34,7% em relação a 2009.

A queda da taxa de natalidade e o aumento da expectativa de vida são motivos suficientes para as pessoas planejarem a aposentadoria com qualidade de vida. Como os benefícios pagos pela Previdência Social estão cada vez mais baixos, para manter o mesmo padrão de vida da ativa, as pessoas contratam a previdência complementar. "Há um movimento produtivo nos últimos anos por parte das empresas e das pessoas físicas de preparação para o futuro. O brasileiro hoje raciocina que é importante acumular no presente para ter no futuro", salienta Eugênio Velasques, diretor-executivo da Bradesco Vida e Previdência.

De olho nesse potencial de mercado a Bradesco reuniu empresários pernambucanos para apresentar o plano empresarial de previdência privada. Na contratação coletiva do plano, os custos são menores e podem ser adotados dois tipos de modelos: instituído e averbado. No plano instituído, funcionários e empresa contribuem para o plano. Em geral, o empregado desconta por mês entre 2% e 3% do salário, e o empregador entra com o mesmo percentual. No plano averbado, a empresa empresta o CNPJ para o grupo de funcionários contratarem o plano de previdência.

Os optantes do plano empresarial de previdência podem aderir ao modelo PGBL (com desconto de até 12% do Imposto de Renda) ou ao VGBL, mais indicado para as pessoas que fazem a declaração do IR no modelo simplificado. É bom lembrar que além da contribuição mensal, os funcionários podem destinar aportes esporádicos para o plano, quando receberem alguma gratificação extra, o décimo terceiro salário ou a restituição do IR.

De acordo com Velasques, antes esse produto se destinava apenas aos funcionários que ocupavam cargos executivos e de chefia, mas as empresas alertaram para a importância de oferecer um diferencial aos empregados, além do plano de saúde e do seguro de vida. Uma forma de valorizar o funcionário e criar um clima produtivo no ambiente de trabalho. Segundo ele, esse tipo de produto tem maior capilaridade nas Regiões Sudeste e Sul do país, mas as empresas nordestinas estão se movimentando para fazer a contratação coletiva da previdência.

A Bradesco Vida e Previdência registrou em Pernambuco nos primeiros quatro meses de 2010 a arrecadação de R$ 63,7 milhões em planos de previdência privada e seguro de vida. Um crescimento de 53,85% na comparação com o mesmo período de 2009. Do total, R$ 62,5 milhões se referem aos planos de previdência e R$ 1,2 milhão a prêmios deseguros de vida
 
Fonte! Chasque publicado no Diário de Pernambuco, no dia 13 de maio de 2010, na seção Economia - http://www.diariodepernambuco.com.br/