segunda-feira, 12 de fevereiro de 2018

Atitude 96! Um carvaval com fandango e a leitura do livro do Éverton Lopes

Bueno! Findo o mês de dezembro, mais precisamente uma semana antes do final de semana do natal, os CTGs (Centros de Tradições Gaúchas), que são "os templos ao culto das tradições e legados dos nossos antepassados", dão uma pausa para os festejos natalinos, de virada de ano e as merecidas férias, que culminam com as férias escolares e o retorno às atividades tradicionalistas nos galpões destes CTGs é após o carnaval (a grande maioria) e uma minoria volta lá no começo de março, com ensaios das suas invernadas artísticas (grupos de danças), elaboração do calendário das atividades culturais e eventos sociais, entre os quais os fandangos gaúchos (os bailes), os eventos campeiros (rodeios crioulos) e os festejos farroupilhas de setembro.

Churrasco: espeto cravado no cepo
Mas, terminando o ano, já fico camperiando pra ver se não tem as exceções, ou seja, algum fandango em janeiro e fevereiro. No sábado de carnaval é bem difícil de achar algum CTG que vá programar um fandango. Mas tive sorte pois no sábado passado (dia 10 de fevereiro), enquanto as escolas de samba de São Paulo desfilavam no Anhembi, me desloquei, de mala e cuia para o CTG Sinuelo da Feitoria em São Leopoldo, que programou o grande jantar baile de aniversário, tendo no cardápio, o churrasco, com o espeto cravado no cepo.

O domingo foi para descansar e atualizar o orçamento doméstico. Além do almoço em Porto Alegre - aniversário da sogra, a "nona" Lourdes Saretta Centenaro.

Créditos! Éverton Lopes
Segunda-feira, além do descanso, chegou a hora de "debulhar", de ler um livro que tive a honra de participar quando foi lançado na 62ª Feira do Livro de Porto Alegre - RS, mais precisamente na sessão de autógrafos do dia 09 de novembro de 2016 do mais novo trabalho, o livro Vivendo a Sua Realidade Financeira, pelo meu amigo Everton Lopes, o Dr. Money Sul, cuja obra trata "com sustentabilidade e melhor qualidade de vida possível, com a sua renda através da Prática dos 4 A's", criado pelo próprio autor.

Créditos! Éverton Lopes
Li a obra num upa, como se diz aqui nos pagos do Rio Grande do Sul (li rapidinho), sendo de fácil assimilação, pois o autor define na página 4, que "o propósito de vida financeira que verdadeiramente queremos é viver uma vida próspera, pois não podemos viver endividados e sempre correndo atrás da máquina, trabalhando para pagar dívidas contraídas por atos impulsivos e impensados. Precisamos priorizar o que é verdadeiramente mais importante em nossas vidas e com certeza não é o dinheiro".

Para o vivente adquirir a obra, basta abrir as porteiras clicando em http://evertonlopes.com.br/, clicando no linck "livros". Ali tu também encontrarás os outros livros do educador financeiro Everton Lopes:
 
Créditos! Éverton Lopes

1 - Seu Bolso no Divã - para mim, um livro cativante, um misto de romance baseado em fatos reais (sem citar nome, pois o nome do brasileiro, dado pelo autor é o "Bolso"), que, segundo está no seu sítio, "conta a história de um brasileiro que, como a maioria, se encontra endividado. Mas ele tem um importante diferencial: pretende dar um basta nisso e deixar de ser refém dos juros altos, passando a fazer seu dinheiro trabalhar para ele daí pra frente. Para isso, ele começa a seguir as orientações do especialista em finanças pessoais e investimentos para estar sempre com dinheiro, gastando menos do que ganha e investindo bem a diferença".

Créditos! Éverton Lopes
2 -  Do Economês para o Português - um verdadeiro "mini-manual" das finanças, dos cobres, do bolso da bombacha, que, segundo o sítio do autor  "é um guia prático de Finanças Pessoais no formato de bolso estando sempre a sua disposição em sua bolsa, pasta, casa ou escritório sanando de imediato dúvidas em sua vida financeira, ajudando você a cuidar do seu dinheiro, com dicas práticas de economia em uma linguagem simples para uso em seu dia-a-dia".

Créditos! Éverton Lopes
3 - Então, este gaúcho recomenda os três livros acima mencionados, do educador financeiro Éverton Lopes. Ainda tem um, onde o autor estreou na literatura das finanças pessoais, junto com mais quinze "mentes brilhantes". O nome da obra é Nova Gestão do Conhecimento e este é um livro que ainda vou ter que buscar para o meu acervo.

Baita abraço

Valdemar Engroff - o gaúcho taura! 

Seis truques para cumprir suas metas em 2018

Um passo a passo para terminar o ano com seus projetos em dia 
Começou o ano com alguns objetivos e planos que deseja realizar até o final de 2018? Ótimo! Agora é hora de se organizar para colocar tudo em prática. Assim, você evita as armadilhas do tempo: daqui a pouco chega o meio do ano e, quando você menos esperar, será dezembro. Na medida em que os meses vão passando, aquele sonho vai ficando mais distante e você acabará esquecendo ou deixando seus projetos de lado.

Para evitar que isso aconteça, é preciso adotar algumas estratégias. Não há uma receita pronta. Algumas medidas funcionam para algumas pessoas e para outras não. O importante é descobrir um jeito de manter seus sonhos vivos o ano inteiro. E entender que alcançar seus objetivos depende de investir seu tempo e esforço na direção certa. Então, mãos à obra! 

1 - Organize seus desejos e divida-os em pequenas etapas

Essa técnica vale para realizar qualquer sonho, pois objetivos muito desafiadores podem desanimar, mas metas menores, de curto prazo, ajudam a manter o foco e parecem mais simples de realizar.

Para começar, coloque seus planos no papel, um a um. Escreva a sua meta e em quanto tempo você pretende realizá-la. Por exemplo: quero juntar R$ 2 mil até dezembro para fazer uma viagem nas férias de janeiro. Parece muito? Divida esse objetivo, por exemplo, em 8 partes de R$ 250,00 e defina como você irá alcançar cada etapa. 

2 - Se vire nos 30 para conseguir o recurso

Pegando o exemplo anterior, se você não tem uma folga de R$ 250,00 no orçamento, que tal fazer uma varredura em seus gastos e reduzir algumas gorduras? Veja se está usando todo o seu pacote de celular, se você contrata algum serviço que usa pouco, como internet, telefone fixo ou TV a cabo. Leia: Faça uma caça aos gastos invisíveis e economize.

Olhe inclusive as contas menores: quanto você gasta por semana com cafezinhos, idas a bares ou com refeições fora de casa. Descubra, também, se você pode fazer alguma renda extra com bicos de finais de semana ou alugando algum bem que você possua. 

Na matéria O novo saiu de moda – A onda agora é compartilhar você encontra dicas de aplicativos e ferramentas que podem ajudar a ganhar uma grana extra. Ouça também o programa Como fazer uma renda extra da campanha Meu Bolso em Dia no Verão.

3 - Crie Compensações

Muitas vezes, para realizar um sonho, é preciso abrir mão de algo no presente – deixar de comprar uma roupa nova todo mês, por exemplo – para conquistar o que você deseja mais adiante (ter uma reserva financeira para emergências, fazer uma faculdade, montar seu próprio negócio e por aí vai). Leia: Você tem dificuldade para poupar? Freud explica.

Segundo a psicóloga Luciana Puglisi, uma maneira de vencer as dificuldades e tentações que surgem pelo caminho é fazer combinados com você mesmo e criar algumas compensações. Se você tem o hábito de comprar roupas, que tal passar a frequentar um brechó, onde os preços podem custar até 90% menos? Se deseja perder peso, que tal organizar uma tarde de brincadeiras com os amigos em um parque, em vez de sair para comer algo? Ao fazer trocas prazerosas, você evita a sensação de que está perdendo algo.

4 - Defina uma rotina

A falta de disciplina é uma das principais causas do abandono de metas. Por isso, a dica é criar uma rotina. Se o seu objetivo é fazer um curso à distância para melhorar sua competividade no mercado de trabalho, defina alguns períodos fixos para estudar. Terças e quintas, das 20h00 às 22h00, por exemplo. E mantenha sua agenda. Caso precise trocar, antecipe o horário de estudos para o dia anterior.

Seu objetivo é praticar uma atividade física para ter mais qualidade de vida? Defina os dias e horários em que fará os exercícios. Leia: Viver mais e melhor. Agora, se você quer guardar dinheiro e não consegue se organizar para isso, um bom truque é fazer um Investimento programado em seu banco. Assim, na data que você definir, o dinheiro sai de sua conta e vai para a aplicação.

5 - Adote caixinhas, lembretes, alertas...

Para manter seus planos vivos o ano inteiro, é importante adotar recursos que ajudem a lembrar das metas e a acompanhar cada passo rumo à concretização. Algumas ideias:

> Caixinha de pendências e realizações
Use duas caixinhas, gavetas ou potes transparentes. Em um deles, fixe um papel com seu grande objetivo: “emagrecer 5 quilos até dezembro”, por exemplo. Coloque, dentro, uma lista das ações que levarão você a chegar lá: fazer caminhada pelo menos duas vezes por semana, reduzir o consumo de doces e assim por diante.

Deixe, ao lado, um bloquinho de papel e caneta. Anote cada atividade que você realizar, dobre e guarde na outra caixinha, gaveta ou pote (inclua a data): hoje fiz uma caminhada de 4 quilômetros; nesta semana, só salada e uma proteína na hora do jantar; troquei o doce por fruta na sobremesa, etc. Quando perceber, sua caixinha de realizações estará cada vez mais repleta, mostrando o quanto tem feito pelo seu desejo.

> Quadro de post-it
Anote sua meta em um papel e fixe-o em um quadro branco (você pode até mesmo usar um espelho ou a porta da geladeira). Deixe, por perto, bloquinhos de post-it. Toda vez que fizer algo que leve ao seu objetivo, anote em um post-it e fixe junto à meta. Com o tempo, a quantidade de papeizinhos vai crescer. E seu ânimo para seguir em frente também.

> Lembretes na agenda ou celular
Se você usa uma agenda diariamente, inclua em seus compromissos a rotina que você organizou (ver item 4) para chegar ao seu objetivo. Assim, você não esquece as atividades programadas. Se preferir, use o sistema de alertas de seu celular.

> Controle amigo
Outro truque para não abandonar as atividades que você programou é divulgá-las entre seus amigos e familiares. E convidar a turma a ir junto com você, tanto participando das atividades quanto acompanhando os resultados pelas redes sociais.

6 - Combata os boicotes

Luciana Puglisi chama a atenção também para a tendência à autosabotagem, traduzida naquelas situações em que fazemos algo que vai na direção oposta à que estamos buscando. “Esse boicote é inconsciente e, muitas vezes, ele acontece porque não nos permitimos ser felizes”, diz a psicóloga. É importante ter essa consciência para mudar esse padrão mental.

A fonte deste chasque (postagem) é o sítio Meu Bolso em Dia. Abra as porteiras clicando emhttps://www.meubolsoemdia.com.br/Materias/6-truques-para-cumprir-suas-metas-em-2018

sábado, 10 de fevereiro de 2018

Atitude 95! Contas de verão 2018 - a realidade com a efetiva quitação!

Para visualizar melhor senta o facão no toco e clica no retrato para ampliar
Buenas gauchada do Rio Grande e de toda esta terra em redor que chamamos de mundo. 

O ano de 2017 foi bagual (pródigo). Foi o décimo aniversário do orçamento do nosso galpão, da nossa casa, do nosso rancho. Foi o ano da conquista da segunda renda - a aposentadoria e esta, gauchada amiga, não é vista nos bolichos, nos botecos, no comércio, nos galpões, nos fandangos e bailes gaúchos em galpão de CTG (Centro de Tradições Gaúchas) . Ela é canalizada para os investimentos, com o objetivo da conquista da segurança financeira e posterior independência financeira, minha e da minha família!

O ano de 2017 também foi o ano da implantação da "programação com investimentos para quitação das contas de verão de 2018", pois estas sempre eram quitadas com os recursos da gratificação natalina (décimo terceiro salário). 

Mas seguindo os passos, dicas e orientações dos educadores financeiros, entre os quais o Guilherme do sítio Valores Reais; o Marcos Silvestre, da Rádio Band News, da Odete Reis, da Sophia Camargo e o gaúcho meu amigo Everton Lopes, montamos um planejamento para a quitação entre dezembro de 2017 e fevereiro de 2018, onde, de março do ano passado até dezembro, guardamos R$ 3.500,00 (R$ 350,00 mensais). 

E da projeção à efetiva quitação, eis a situação:
1 - IPVA - pagamos em dezembro (ref. ano 2018) R$ 617,53. Em 2017 pagamos R$ 669,50. 

2 - CRC / RS - pagamos em janeiro desta no R$ 484,00. Em 2017 pagamos R$ os mesmos R$ 484,00. Esta conta vence em 31 de março. Pagando em janeiro, o desconto é de R$ 15%. 

3 - IPTU - quitamos em dezembro, com 15% de desconto devido à antecipação do pagamento, o valor de R$ 463,21. No ano passado pagamos, com este mesmo percentual de descontas R$ 422,58.

4 - Seguro Veículo - este venceu em 13 de fevereiro, mas o pagamos em janeiro, no valor de R$ 1.502,51. Em 2017 pagamos o valor de R$ 1.229,36. 

5 - Sindiconta - em fevereiro do ano passado pagamos a título de Contribuição Sindical ao Sindicato dos Contadores o valor de R$ 204,00. Mas, devido às alterações na legislação, com a reforma trabalhista, não temos esta despesa, mesmo estando projetada no ano passado, para este ano. No entanto, "trocamos" esta despesa pela anuidade da sociedade tradicionalista CTG Amaranto Pereira, onde somos associados desde 1995. Pagamos R$ 150,00 de forma antecipada (se fôssemos pagar mensalmente, pagaríamos R$ 15,00 mensais, num total de R$ 180,00 o ano todo). 

É bem simples! Gastamos com estas contas em 2017 R$ 3.009,00. Arredondamos este valor para R$ 3.500,00 na projeção e nos investimentos para este fim. Então, efetivamente pagamos R$ 3.217,25.

E agora, já estamos montando, projetando e a "tábua" de investimentos para as contas de verão de 2019, onde, vamos realmente retirar a conta "contribuição sindical" devido à reforma trabalhista e vamos incluir a anuidade do CTG Amaranto Pereira e alguns itens que compõe o balaio das despesas do veículo, tais como: duas revisões com valores bem "gordos"....

E agora indiada macanuda.... é sábado de carnaval.... e como "não sou todo mundo", estou entrando nas bombachas e vou a galope rumo à São Leopoldo (RS), pois lá, no galpão do CTG Sinuelo da Feitoria tem grande fandango gaúcho, com churrasco - espeto cravado no cepo.... 

Valdemar Engroff - o gaúcho taura!

Livro! Os Axiomas de Zurique

O autor de Os Axiomas de Zurique - os conselhos dos banqueiros suíços para orientar seus investimentos, Max Gunther introduz que este livro é sobre arriscar e saber como administrar o risco. "O assunto é apostar para ganhar. Isso talvez dê a impressão de que se trata de um livro para todo mundo. Não é. Claro, todo mundo quer ganhar, mas nem todos querem apostar", escreve Gunther.

Mas, afinal, o que são axiomas? A palavra deriva da grega axios, cujo significado é digno ou válido. Porém também é sinônimo de lei ou princípio. Nas décadas de 1950, 1960 e 1970, a expressão foi cunhada para designar os preceitos de um grupo suíço de homens e mulheres que buscavam a riqueza em Wall Street. Eram eles banqueiros e empresários, que enriqueceram e tornaram a Suíça em um dos países mais abastados do continente.

Através de depoimentos, o autor revela os segredos desses investidores, que, depois da Segunda Guerra Mundial, resolveram ganhar dinheiro investindo em diversas áreas, de ações a imóveis, de commodities a moedas estrangeiras; e que enriqueceram muita gente, além deles mesmos. O livro expõe as táticas usadas por esse grupo, as quais resultaram em regras divididas em 12 axiomas principais e 16 secundários, que levarão às especulações de sucesso.

Os axiomas de Zurique - Os conselhos dos banqueiros suíços para orientar seus investimentos; Max Gunther; Editora Best Business; 208 páginas; R$ 24,90 

Fonte! Chasque publicado na edição impressa do Jornal do Comércio de Porto Alegre RS, do dia 01 de fevereiro de 2018.
O autor de Os Axiomas de Zurique - os conselhos dos banqueiros suíços para orientar seus investimentos, Max Gunther introduz que este livro é sobre arriscar e saber como administrar o risco. "O assunto é apostar para ganhar. Isso talvez dê a impressão de que se trata de um livro para todo mundo. Não é. Claro, todo mundo quer ganhar, mas nem todos querem apostar", escreve Gunther. Mas, afinal, o que são axiomas? A palavra deriva da grega axios, cujo significado é digno ou válido. Porém também é sinônimo de lei ou princípio. Nas décadas de 1950, 1960 e 1970, a expressão foi cunhada para designar os preceitos de um grupo suíço de homens e mulheres que buscavam a riqueza em Wall Street. Eram eles banqueiros e empresários, que enriqueceram e tornaram a Suíça em um dos países mais abastados do continente. Através de depoimentos, o autor revela os segredos desses investidores, que, depois da Segunda Guerra Mundial, resolveram ganhar dinheiro investindo em diversas áreas, de ações a imóveis, de commodities a moedas estrangeiras; e que enriqueceram muita gente, além deles mesmos. O livro expõe as táticas usadas por esse grupo, as quais resultaram em regras divididas em 12 axiomas principais e 16 secundários, que levarão às especulações de sucesso. Os axiomas de Zurique - Os conselhos dos banqueiros suíços para orientar seus investimentos; Max Gunther; Editora Best Business; 208 páginas; R$ 24,90 - Jornal do Comércio (http://jcrs.uol.com.br/_conteudo/2018/01/cadernos/empresas_e_negocios/608918-patrimonio.html)