terça-feira, 26 de janeiro de 2010

Você acredita na aposentadoria do INSS?

Eu não, gente, desculpa. Quando meu pai se aposentou, há muuuuitos anos atrás, o nível de vida da minha família foi lá para o chão. Eu era criança, não lembro de tudo. Só sei que antigamente, quando meu pai ainda trabalhava, era tudo bem mais tranquilo. De uma hora para outra, tivemos de apertar os cintos. Começaram a rolar queixas sobre falta de dinheiro aqui em casa, coisa com a qual não estava acostumada. Foi na época em que entrei num hospital público pela primeira vez – situação que se repetiu pelos dez anos seguintes. Tinha de depender do SUS para tudo.

Hoje, com meu irmão casado e eu trabalhando e recebendo meu próprio salário, as coisas estão mais suaves para meus pais. O que não significa ter melhorado tanto assim. A aposentadoria do meu pai, 15 anos atrás, era equivalente a x vezes o salário mínimo. Mas ao longo dos anos, o salário aumenta, inflação multiplica e o benefício dele já é equivalente à metade do número de salários mínimos de antigamente. Tudo fica mais caro! Só não sobe o reajuste dos aposentados. Quando sobe, é um reajuste tão sem vergonha que nunca acompanha o salário. A inflação, então? Jamais.

[Mais:]

Resumindo, aposentados como meu pai só vão perdendo o poder aquisitivo a cada dia, a renda vai diminuindo, quando deveria ser o contrário.

Não é nada justo, ainda mais para alguém que suou a camisa trabalhando a vida inteira e nunca faltou por uma dor de dente sequer desde que me entendo por gente. Não é justo com quem tem de sustentar uma família e depende do benefício do INSS para isso.

Você ainda espera pelo INSS?

Olhem essa notícia sobre o déficit na Previdência Social em 2009. Não é de hoje que a previdência anda mal das pernas e isso é fenômeno mundial. A população vai envelhecendo e os cofres públicos vão arrecadando menos dinheiro da população economicamente ativa. Logo, a conta não fecha. E isso tende a piorar.

Por isso, respondendo à pergunta, eu não espero pelo INSS não.

Tive a sorte de ser ter carteira assinada(CTPS) em três dos quatro empregos que tive. Mas nem conto com o dinheiro da aposentadoria formal, da Previdência Social. Tô menosprezando a grana? Claro que não. Todo dinheiro é bem vindo. E ele poderá servir para pagar um plano de saúde (que é caríssimo para os velhinhos - depender do SUS, gente, é a coisa mais triste do mundo. Posso dizer isso com propriedade, de quem realmente dependeu por muitos anos e esperava meses e meses para conseguir fazer um exame babaca).

Mas eu quero aposentar e fazer um montão de coisa. Principalmente viajar, curtir. Ir para os bailinhos da terceira idade (há). Não quero chegar à idade da aposentadoria e ver meu nível de vida decair drasticamente... e principalmente não aproveitar os últimos anos da minha vida tão bem quanto aproveito os atuais.

E é por isso que tenho meu próprio plano de aposentadoria. Que pode dar certo ou não, dependendo da minha disciplina e sorte.

Você também deveria ter o seu, que pode tanto ser investir bastante até somar o montante necessário para conseguir viver do rendimento que tais aplicações lhe retornarão, ou fazer um plano de previdência privada, sobre os quais vou falar nos próximos posts, combinado?

Fonte! Chasque publicado no galpão virtual Papo Econômico - www.interney.net/blogs/papoeconomico/ , escrito por Evelin Ribeiro e postado no dia 25 de janeiro de 2010.