quinta-feira, 4 de março de 2010

Juntando dinheiro com o “cofrinho”

Antes de iniciar este artigo fiz uma pesquisa na internet sobre o tema “cofrinho”, e após algumas leituras vi que o tradicional “porquinho” não anda tão popular como antigamente, pelo menos para jornalistas e especialistas da área financeira.

De um lado temos informações de que metade das moedas do país estariam em cofrinhos, o que gera um grave problema de falta de troco no comércio. O Banco Central tem que colocar mais moedas em circulação, o que gera custos de produção.

Já os especialistas dizem que não é interessante guardar dinheiro no porquinho, pois não há rendimento.

Tenho uma visão otimista do porquinho, afinal ele continua sendo uma boa forma de poupar dinheiro (não gastar dinheiro com besteiras), também é um importante passo na educação financeira das pessoas e um trampolim para obtenção de fundos para investimento.

Já tive vários cofres e nem todos eles eram porquinhos, e posso afirmar que colecionar dinheiro é um prazer singular.

O primeiro passo para quem deseja juntar dinheiro no cofrinho é saber qual será o objetivo daquele dinheiro, dessa forma nos protegemos de nós mesmo contra saques antes da hora.

Atualmente meu objetivo é investir o dinheiro poupado na bolsa de valores, mas em outras épocas já foi comprar um guitarra, fazer uma viagem, fazer um upgrade no computador.

Agora que já temos um objetivo devemos criar uma regra para depositarmos o dinheiro, em nosso cofrinho.

Por exemplo: “Todo o troco do ônibus e do pão irão para o cofrinho”, “Todas as notas abaixo de 10,00 que eu tiver em casa irão para o cofre”, “Separarei 5 ou 10% do meu salário para o porco”, “Destinarei 50% dos meus ganhos extras para o porco rosa”, “Lugar de moeda é no cofrinho, todas as moedas irão para lá”, crie a regra que você quiser, e a siga! Lembre-se que é uma regra e não uma recomendação.

Evite colocar moedas de 5 e 10 centavos no seu cofre, elas fazem muito volume físico, mas baixo monetário, coloque moedas de 25 centavos para cima, deixe as pequenas para o comércio.

Coloque cédulas de papel! Isso mesmo, coloque todas as notas que conseguir no seu cofrinho, são elas que fazem o porco engordar de verdade.

Estipule o tempo de engorda do seu porquinho. Não sou a favor de um período de permanência acima de 6 meses.

Seja qual for o seu objetivo, lembre-se que você poderá pegar o dinheiro do cofrinho e depositar em um fundo de renda fixa ou ações, e até mesmo na poupança, dessa forma seu dinheiro não irá desvalorizar e irá render alguma coisa.

Existem vários bancos que permitem investimentos em fundo de ações com baixas quantias (a partir de R$ 200,00).

Atualmente meu prazo de permanência com um cofrinho é de 2 meses, após esse período o dinheiro do cofre vai para a Bolsa.

Reúna parentes e amigos mais próximos e faça a cerimônia da quebra do porquinho, isso irá estimulá-los a fazerem o mesmo, afinal quem não gosta de dinheiro?

E é nesse momento que vem a surpresa, é comum tentarmos calcular quanto foi depositado, mas esse valor sempre vem além da nossa expectativa.

Lembre-se: “Dinheiro atrai dinheiro”, comece a colecionar dinheiro hoje mesmo!

Abraços e até a próxima.

Fonte! Chasque e retratos de Diego Denega, postados dia 21/02/2010 no galpão virtual Denega System - http://denegasystem.blogspot.com/.