sexta-feira, 1 de novembro de 2013

'Poupar demais é tão insano quanto gastar demais'

Meu planejamento financeiro é muito mais simples do que a maioria das pessoas imagina. Enquanto eu era focado na construção de minha independência financeira, acompanhava minha planilha quase que diariamente, ajustando verbas e conferindo se iria conseguir poupar o que estava nos planos. Com o tempo, o hábito do controle nos disciplina e passamos a automatizar processos que antes exigiam cuidados. Hoje, sequer faço um acompanhamento mensal de minhas contas. Como gasto quase que 100% de meu orçamento no cartão ou no débito automático, meu controle se limita ao total gasto no cartão. Faço esse acompanhamento uma vez por semana, em média. Quando os gastos desequilibram um pouco, confiro em detalhes o que foi comprado e me proponho a enxugar um pouco as verbas para o lazer nas semanas seguintes.

Em relação aos investimentos, a relação também é diferente da fase em que eu buscava a independência financeira. Antes, minha carteira de investimentos era arrojada, concentrada em ações e eu passava quase que o dia inteiro acessando as informações de mercado para saber o que comprar quando o dinheiro caísse na conta. Hoje, minha carteira é dividida aproximadamente em 1/3 renda fixa, 1/3 renda variável (em fundos e empresas) e 1/3 em imóveis (em fundos e propriedades), mas toda ela com o objetivo de gerar renda, ou seja, com características defensivas e com liquidez. Não acompanho mais detalhadamente os mercados, mas frequento diversos eventos de investidores.

Meu custo de vida é baixo se comparado com a renda que tenho, pois evito gastos fixos e dedico uma verba muito generosa ao lazer e viagens, bem maior do que os gastos que tenho com moradia, escola e automóveis. Nesses pontos, não sou econômico mas sempre gasto dentro de regras pré-estabelecidas, para que meus filhos percebam que há limites.

Aprendi que poupar demais é tão insano quanto gastar demais. Na organização das finanças, as palavras-chave são equilíbrio e sustentabilidade. Devemos adotar um estilo de consumo que seja prazeroso, mas acima de tudo que não se torne inviável no futuro. Gasto consciente de que, se eu precisar parar de trabalhar, não reduzirei meu estilo de vida. E é isso que eu procuro ensinar às pessoas através de meu trabalho.

Gustavo Cerbasi é formado em Administração Pública pela FGV, com mestrado em Administração/Finanças pela FEA/USP. Mas ficou famoso pelo trabalho como educador financeiro e pelos livros que escreveu e escreve até hoje, como Os Segredos dos Casais Inteligentes, entre muitos outros. Em 2009, foi eleito um dos 100 brasileiros mais influentes pela revista Época. Seu site é o Mais Dinheiro: www.maisdinheiro.com.br. Retrato de Daniel Rosa.

Fonte! Chasque publicado no sítio As Poupadoras. Abra as porteiras: http://www.poupadoras.com/index.php/troco/120-poupar-demais-e-tao-insano-quanto-gastar-demais.