sábado, 23 de novembro de 2013

Gastar, gastar e gastar... não importa qualquer coisa pode ser comprada...

- Preciso pagar o hotel no débito - diz a pessoa que só usa cartão de crédito.
- Qual a razão?
- Estourei o limite do cartão de crédito.
- Credo! Seu limite é altíssimo, maior que seu salário!
- Pois é, não que eu tenha estourado pagando o cartão parcelado, é que as prestações que tenho no cartão chegaram no meu limite.
- O que aconteceu?
- Gastos, gastos. Duas meninas precisam de muita roupa. Eu preciso de roupa. As crianças agora na escola precisam usar tablet, cada uma tem um ipad, mas tive que comprar um galaxy para cada uma porque só ele é compatível  com os programas da escola.

Lá fiz uns cálculos mentais e por mais que tentasse não conseguia chegar no valor que atingisse o tal limite absurdo do cartão de crédito. Cada uma das crianças também tem um iphone e a dona do cartão outro.

Fomos jantar. Adoro o Spaghetto em Curitiba. Promoção: um avental comemorativo dos vinte e cinco anos de existência do restaurante custando apenas R$ 9,00. Nem me passou pela cabeça comprar. O que faria com o dito avental? E a pessoa adquiriu feliz um avental.

No outro dia, após uma manhã de palestras sobre sustentabilidade, acompanhamos uma colega até o hotel e ao lado uma linda "brigaderia". Aqueles docinhos pediam para ser levados. Embalagens lindas. E nossa amiga comprou quatro panelinhas daquelas coloridas com brigadeiro de colher no total de R$ 56,00. Fui mais comedida e comprei quatro vidrinhos com a mesma quantidade das panelinhas por R$ 28,00, pois o que iria fazer eu com panelinhas coloridas que dão até dó de jogar fora? Detalhe que a pequena colher que vinha junto é da brinox e agora temos em casa companheiras para xícaras de cafezinho.

E continua a saga. Palestras da tarde e a pessoa me mostra um iphone 5 perguntando o que achei do preço. Respondi que o preço estava normal, realmente é o que custa e, na minha opinião, vale cada centavo para quem precisa de um bom aparelho, só questionei o fato da necessidade considerando que o iphone 4 dela parecia ainda ótimo, bem cuidado e sem bateria viciada tanto o cuidado no recarregar sempre no momento certo.

- Sabe o que é? Eles me mandaram um chip com internet mais rápida, mas não serve no 4, então preciso comprar o 5.

????????????? E lá vai o cartão ficar mais estourado ainda.

Vendo minha blusinha da Marisa de usar por baixo das camisas transparentes exclama:

- Credo, está toda desfiada!
- Pois é, nem vai voltar na mala, só indo para o lixo mesmo, paguei R$ 19,00 e já está destruída. Ainda bem que tenho essa outra da Zara que custou R$ 25,00 e é ótima.
- Boas mesmo são aquelas da Dudalina, próprias para usar embaixo de camisas. Lindas mesmo!
- Quanto custa essa coisa?
- Cento e poucos reais!
- Muito caro!
- Mas são lindas!

Ok. Chegamos no aeroporto e me distanciei um pouco dizendo que logo a encontraria. Onde estava a moça? Adivinhem? Na Dudalina, não havia a menor dúvida de que a encontraria por ali.

- Sabia que te encontraria por aqui.
- Preciso de uma daquelas blusinhas brancas para usar embaixo da roupa, a minha da Dudalina já não está mais branca.
- Que bom que Dudalina também acaba! É um consolo para a minha da Marisa. Quanto custa isso?
-  R$ 120,00 só que tem desconto de 10% porque é o mês do meu aniversário! E você acredita que ainda não pude ir ver outras coisas nessa loja por falta de tempo e perderei o desconto?
- Mas... esquece - eu ia perguntar se realmente estava precisando de alguma coisa, se o cartão já não estava estourado e desisti e ela sabe dessas coisas que penso porque sempre falo, sempre com moderação e sem insistência, mas falo.

Sempre que falo ela me chama de sovina e diz que eu lembro uma amiga dela, riquíssima, que está fazendo um ano sabático e pede uma marmita para três pessoas. Rimos juntas e cada qual segue a vida que escolheu.

O que seria mesmo sustentabilidade? O que representa o consumo consciente na sua vida? Porque determinadas pessoas precisam gastar tanto e ao mesmo tempo sem qualquer planejamento? 
 
Fonte! Este chasque (esta postagem) é de autoria de Ziula Sbroglio, publicado no seu sítio Hora de Mudar, no dia 23 de novembro de 2013. Abra as porteiras clicando em: http://ziulasbroglio.blogspot.com.br/2013/11/gastar-gastar-e-gastar-nao-importa.html. 
 
Crédito do retrato! http://liquidificadordigital.blogspot.com.br/2010/12/vou-confessar-que.html
 
...................................... 
 
Observação! Tudo isso se resolve numa guinada de 360 graus, regado de muita educação financeira. Basta acabar com o limite do cartão, com o próprio cartão e comprar realmente só à vista e pensar bem antes de se "atirar" no consumo compulsivo e desenfreado, pois indo neste galope, com certeza "a vaca vai pro brejo", como se diz na minha terra. Traduzindo para presente chasque (trexto) da Ziula: a fonte vai secar, o dinheiro vai acabar e a pobreza vai pedir passagem e não precisa ir longe pra isso acontecer.... vai ser logo ali, na velhice de quem age assim de forma tão desenfreada.
 
Grande abraço Ziula. Parabéns pelo ótimo trabalho no teu sítio.
 
Valdemar Engroff