sábado, 29 de setembro de 2012

Chasque Bizarro 18! A esmola na Justiça do Trabalho

Audiência na Justiça do Trabalho de uma cidade fortemente colonizada por alemães. O reclamado é um senhor de gestuais grosseiros e impacientes. O reclamante, um jovem franzino e constrangido, pede reconhecimento de vínculo de emprego como trabalhador - alegando ter sido caseiro no sítio do reclamado.

Questionado pelo juiz acerca da possibilidade de acordo, o reclamado afirma, sotaque carregado, peito cheio de mágoas:

- Acordo? Dei casa e comida para essa criatura e agora me apronta essa!

O magistrado tenta suavizar:

- Sei que o senhor pode estar chateado, mas o reclamante trabalhou no seu sítio e foi embora sem nada receber. Sugiro que proponha um valor, daí  encerramos a discussão hoje mesmo.

- Não seja por isso. Este dinheiro basta a esse morto de fome! São 300 pilas! –  diz o reclamado, puxando seis cédulas de R$ 50 do bolso e colocando-as sobre a mesa.

Perplexo, o juiz dirige-se ao reclamante:

- O senhor, por gentileza, apanhe o dinheiro e guarde-o no bolso.

Sem nada entender, mas confiando na determinação, o reclamante recolhe as cédulas. Em seguida, antes que o reclamado diga outros impropérios, o magistrado volta à carga:

- A esmola já foi aceita. Agora, o senhor trate de pensar numa proposta de acordo, e medite ou oriente-se com seu advogado antes de abrir a boca. Eu lhe repito: antes de abrir a boca. O lugar onde o senhor está se chama Justiça, e não feudo! E o juiz sou eu.

Veementemente alertado por seu advogado, o alemão duro concorda em pagar mais R$ 1.500 e, assim, acabar com a demanda. Acordo fechado, cheque assinado, formalidades preenchidas, processo encerrado, clima ainda hostil na sala de audiências, o empregador levanta-se e parte sem se despedir de ninguém.

Deixa o foro trabalhista, embarca em sua camioneta, cantando os pneus etc. Aconteceu numa cidade da Grande Porto Alegre.

Fonte! Chasque publicado nas páginas do Jornal do Comércio de Porto Alegre/RS, na edição do dia 28 de setembro de 2012, na coluna Espaço Vital, por Marco A. Birnfeld.