quarta-feira, 4 de agosto de 2010

Fundos brasileiros superam a média mundial

“O valor dos ativos financeiros dos fundos de pensão brasileiros, considerando-se os dados de dezembro dos últimos três anos, tem sido sempre crescente” afirmou o diretor-superintendente da Previc, Ricardo Pena. A declaração foi dada após a divulgação pela Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), em julho, de um estudo analítico do desempenho dos sistemas de previdência privada, face aos efeitos da crise econômico-financeira de 2008.

De acordo com a pesquisa da OCDE, divulgada no relatório Pension Markets in Focus, as perdas sofridas durante aquele ano ainda não foram totalmente recuperadas.

O desempenho dos investimentos, em 2009, permitiu ganhos significativos, bem como um leve ganho dos níveis de capitalização dos planos de benefício definido (BD). Os responsáveis pelo trabalho observaram que os fundos de pensão dos países não membros da OCDE, na maior parte países emergentes, como o Brasil, sofreram menos em 2008, e se recuperaram mais rápido em 2009.

DESAFIOS – São muitos os desafios para os sistemas que ainda não conseguiram reaver suas perdas, ocorridas na crise de 2008, dentre os quais pode-se citar: o início das aposentadorias da geração pós-guerra (baby-boom), as incertezas da recuperação econômica e a redução da rentabilidade oferecida pelos títulos públicos.

Conclui o estudo que as evoluções na área regulamentar são fundamentais, principalmente aquelas relacionadas com as regras de solvência e com os novos padrões de contabilidade.

“Mais uma vez estamos numa situação privilegiada” continuou Ricardo Pena referindo-se às regras brasileiras sobre essas matérias, recentemente revistas, e agregadoras de conceitos modernos. São elas: Resolução CMN nº 3.792/2009 (diretrizes de investimentos), Resolução CGPC nº 26/2008 (solvência), Resolução CGPC nº 28/2009 (plano de contas) e Resolução CGPC nº 29/2009 (despesas administrativas).

O desempenho dos ativos no período 2003-2007, acrescido de uma atuação proativa dos órgãos reguladores e supervisores brasileiros, ajudaram a manter o equilíbrio do sistema de previdência complementar fechado. No final de 2009, o superávit consolidado do sistema brasileiro foi de R$ 66,7 bilhões. (ACS/PREVIC/MPAS).
 
Fonte! Chasque publicado no sítio Previdência Já - http://previdenciaja.blogspot.com/, no dia 4 de agosto de 2010.