quarta-feira, 7 de dezembro de 2011

Atitude 55! Mateada na Expo Money Porto Alegre! Tchê! E que Mateada (Final)....

Consultor Augusto Sabóia
Crédito: Diário de Pernambuco -
http://www.diariodepernambuco.com.br/.
Bueno! Dando continuidade, após assistir as três palestras neste dia (30 de novembro), que são citadas no chasque (postagem) anterior, lá pelo final da tarde, tivemos um roda de mate (palestra) novamente com o financeiro Augusto Sabóia, que trouxe o tema "Velho sim.... Pobre não", enfatizando o planejamento financeiro para a pré e pós aposentadoria. Em outras palavras: é imprescindível se planejar para chegar lá e viver bem ... lá na velhice.

Como é consultor financeiro, dá assistência financeira a vários clientes do país, entre os quais, alguns que estão batendo nos cem anos de idade (um cliente já passou dos 103 anos) e segundo estes seus clientes, a velhice (com dinheiro oriundo do planejamento) é bem melhor do que a própria infância.

Crédito: Cultura Mix -
http://www.culturamix.com.br/.
Novamente tocou na regra dos 200, ou seja, determinar o seu custo de vida sonhado (e mensal) na velhice e multiplicar por 200, vai te dar o valor necessário para viver bem .... lá na velhice. Assim como R$ 300,00 são suficientes para investir mensalmente durante 35 anos e chegar ao capital acumulado de R$ 1.000.000,00. 

Além disso mencionou que o retorno dos investimentos é que vão determinar o dia que o vivente vai se aposentar (se tiver que se aposentar pobre, ou sem atingir a meta, que continue trabalhando), pois está cada vez mais comprovado pela ciência, que vida centenária não será exceção e sim regra. Ela já é realidade e para enfrentá-la com qualidade, somente com muito dinheiro.

Sabóia foi categórico dizendo que os americanos abastados, bem como os europeus NÃO tem empregado (a) doméstico (a). O serviço de jardinagem, poda, limpeza de pátio é feito pelo próprio dono da casa e muitas vezes, o serviço doméstico também. No entanto, no Brasil, não temos educação financeira e somos um dos poucos países onde existe a função profissional de trabalhador doméstico. No entanto, as famílias investem em serviços domésticos, mas não investem no seu futuro, e quando a velhice chegar, não terão capital acumulado para viver com qualidade.

Outro exemplo citado pelo consultor é o cachorrinho de estimação: "em quinze anos ele te consome R$ 300.000,00". Pasmem! Este é um volume de dinheiro queimado e que não dá retorno. Este é um dos motivos por eu lutar lá no meu rancho para não ter um cachorro (e estou conseguindo....). É preciso parar de investir em passivos (tudo que gera só despesas) e é preciso melhorar o retorno dos investimentos e isto é mais importante do que reduzir despesas.

Frase marcante desta palestra! "A pessoa que vai viver 150 anos já nasceu. Não morremos tão cedo e é preciso estar preparado financeiramente para viver bem nesta nova fase da via - a velhice".



Sardenberg. Crédito: LCA Promo
http://www.lcapromo.com.br/.
  E neste dia, uma das mais esperadas palestras foi a do jornalista e comentarista econômico da TV Globo e âncora da rádio CBN, Carlos Alberto Sardenberg, que abordou o tema "Desafios e Oportunidades do Brasil".

De forma dinâmica teceu comentários sobre o a economia mundial, citando cinco das sete pragas do mundo de hoje:
- Colapso financeiro  em 2008/2009 - com os Estados Unidos no centro da crise;
- Crise das dívidas públicas dos países europeus - endividados com crise de crédito;
- Problemas nos países produtores de petróleo - lutas muitas vezes sangrentas contra ditaduras;
- Terremoto e tsunami no Japão - com interrupção de diversas cadeias produtivas mundiais;
- Crise da dívida americana - crise política, mesmo com soluções econômicas (democratas x republicanos).

Segundo o jornalista, tudo isso é problemático, pois não está sendo bem administrado. Dos 27 países europeus, 17 tem o Euro como moeda, mas as economias são diferentes. A Alemanha é rica e competitiva, mas os demais gastam por conta (tem mais despesas que receitas). Por isso temos problemas na Grécia, Itália, Espanha, Portugal...

Para Sardenberg, o mundo árabe é uma incógnita, pois muitos governos (ditaduras) estão sendo derrubados à força. E esta instabilidade na região, aumenta o preço do petróleo. E pelo lado político da crise, o mundo rico (Estados Unidos e países europeus principalmente) não vão crescer e poderão entrar em recessão. Em compensação, o crescimento econômico acontece nos países emergentes, fazendo com que a renda da população destes países aumente, aumentando o consumo de bens, alimentos, energia, fazendo com que também haja aumento nos preços.

Concluímos que e palestra do jornalista foi proveitosa e bem didática. Diria que caiu como uma luva para os não jornalistas, os não economistas. Foi uma aula de economia e conjuntura econômica.

Outras palestras programadas para este dia:

- Planejamento Financeiro, por Ana Lygia Monteferrario, da Itaú Corretora;
- CVM e o Mercado de Capitais, por Félix Garcia, da CVM;
- Cenário Macroeconômico, por Elem Regina Steter, do Bradesco;
- Ganhe Dinheiro na Bolsa - Aprenda com que faz e não com quem ensina, pelo Grafista Didi;
- Oportunidades de Investimentos no Brasil em um cenário de crise exterior, por Débora de Souza, da Sólidus Corretora de Valores;
- A previdência Privada e seus projetos de vida: educar, agregar e ascender, por Guilherme Alessandre Rossi, da Brasilprev;
- Fundos de Investimento, por Roberto Balestrin, do Banrisul;
- Fugindo da Bolsa... Porque? Operações e Análise Gráfica, por Wagner Caetano, da Nelogica;
- Weg: soluções em eficiência energética e energias renováveis e tintas, por Laurence Beltrão Gomes, da Weg;
- Relacionamento com Investidores - palestra Petrobrás;
- Como operar Day Trade, por André Moraes, da Rico.com.vc;
- Gráfico, o melhor amigo do investidor, por Wagner Caetano, da Agência Estado
- Análise Fundamentalista: obtenha uma performance consistente no mercado de ações, por José Kobori - empresário, professor e escritor;
- Veja o movimento dos grandes investidores, por Marcos Masagão, da Future Analysis

Bueno! Eu tinha me programado para assistir a palestra "Mude suas finanças e o mundo muda com você", que seria proferida por Jurandir Sell Macedo, do Itaú. No entanto, o palestrante não se fez presente.

Outros dois tópicos que gostaria de dividir com a gauchada:
1 - Na edição do ano passado, o evento trouxe a "Clínica Financeira", que era um espaço reservado com consultores financeiros que te atendiam e te davam orientações em relação aos caminhos a traçar e seguir para os seus investimentos ou então, dando luz para os que buscavam soluções para outros problemas financeiros, como dívidas, despesas demasiadas, etc. E esta clínica, nos moldes da edição anterior, esta edição não teve.

2 - Também na edição do ano passado, o Money Mulher era um mini evento dentro do evento maior. Era direcionado para as mulheres, com mini palestras de em torno de 20 minutos, com debates no final. Mesmo sendo direcionada para as mulheres, muitos homens dela participavam também (inclusive eu). E nesta edição não tivemos o Money Mulher.

Bueno! Coube mais uma vez a capital de todos os gaúchos encerrar este que é o maior evento de educação financeira deste país e da América Latina. E te confesso que não tem como perder um evento destes, principalmente, depois do primeiro que a gente participa (esta foi a minha terceira participação)....

A espera é longa para a próxima edição. Até lá!.

Grande e cinchado abraço

Valdemar Engroff - o gaúcho taura