domingo, 3 de abril de 2011

Cautela para acertar a aposentadoria

Loureci orienta os trabalhadores a buscarem o maior número de informações

O momento da aposentadoria preocupa os brasileiros. Perder parte do benefício em função do fator previdenciário é uma possibilidade bem viável para quem não cumprir todos os requisitos exigidos pelo INSS. O assessor jurídico da Federação dos Trabalhadores Aposentados e Pensionistas do RS, Loureci Fernandes Pedroso, destaca que o trabalhador deve buscar o maior número de informações antes de encaminhar o pedido da aposentadoria.

O que deve ser levado em conta no momento da aposentadoria?

O ponto principal é a idade. O fator previdenciário reduz drasticamente o benefício. Uma pessoa com 35 anos de contribuição e 53 anos de idade poderá perder até 50% do valor do benefício.

É ilusão querer garantir a aposentadoria antes dos 60 anos?

Sim. Muitos consideram que ao assegurar a aposentadoria após 35 anos de contribuição estarão ganhando porque vão se manter no mercado de trabalho. Por outro lado, esquecem que chegará o momento em que não conseguirão se manter trabalhando e o seu benefício estará reduzido.

A aposentadoria pode ser acumulada?

Não. Após concluir o processo de aposentadoria, o beneficiário descontará a Previdência em sua atividade. O problema é que ele não poderá incrementar estas contribuições para a sua aposentadoria.

Qual a opção ao trabalhador?

É importante lembrar que o teto da Previdência está em torno de R$ 3.800,00 e que apenas 10% da massa beneficiária recebe este valor. A maioria, 70%, está na faixa de um salário mínimo. Os outros 20% estão na faixa de dois a três salários mínimos. Desta forma, antecipar o pedido de aposentadoria será prejuízo. Para minimizar as perdas do fator previdenciário, o ideal é pensar na aposentadoria a partir dos 60 anos. O benefício integral virá com os 35 anos de contribuição e 65 anos de idade, no caso dos homens, e 60 anos no caso das mulheres. Muitos com menos de 60 anos querem encaminhar a aposentadoria e desistem porque o benefício fica abaixo da expectativa. Claro que existem situações em que o trabalhador solicitará o benefício porque perdeu o emprego e não consegue recolocação no mercado ou por motivo de acidente de trabalho ou doença.

Ações de revisão são frequentes?

Sim, e os cálculos são diferenciados, variando de acordo com o ano do pedido do benefício.

Fonte! Chasque publicado no Jornal Correio do Povo de Porto Alegre, na edição do dia 03 de abrail de 2011. Os créditos do retrato são de Tarsilaa Pereira / Correio do Povo.