quinta-feira, 7 de abril de 2011

O desafio do envelhecimento

Um relatório divulgado nesta quarta-feira pelo Banco Mundial indica que o Brasil deverá aproveitar até 2020 para implantar medidas capazes de assegurar um envelhecimento mais tranquilo e seguro para sua população. De acordo com o estudo, até este ano ainda haverá uma diferença administrável na proporção entre população em idade ativa e idosos. A estimativa é que o segmento populacional com 65 anos ou mais passe dos atuais 20 milhões para 65 milhões de pessoas em 2050, aumentando significativamente.

Segundo Michele Gragnolati, que coordenou o trabalho, é preciso lançar mão de toda a capacidade produtiva da força de trabalho disponível para acumular bônus e poupança para serem usufruídos mais tarde. Para o economista, também é necessário repensar o sistema previdenciário, para que não haja desequilíbrios no custeio. Diretrizes como sustentabilidade, fomento à poupança, racionalização de investimentos, incentivo ao crescimento e funcionamento eficiente devem ser consideradas e adotadas.

Um dos problemas cruciais que deverá se avultar num futuro próximo é o do atendimento prestado aos pacientes da chamada terceira idade. Se hoje o Sistema Único de Saúde (SUS) já deixa muito a desejar, essa situação tende a se agravar. Mesmo para as pessoas que dispuserem de planos privados de tratamento médico, certamente as exigências e os requisitos para ingresso e manutenção de um grande contingente deverão aumentar, com custos mais altos. Hoje, boa parte desses segurados está em plena atividade laboral e numa faixa que requer menos cuidados.

O Brasil está vendo sua população envelhecer de forma gradual, mas com ritmo crescente. É urgente que o poder público se programe para propiciar o acesso dos brasileiros de mais idade a meios eficazes para obter seguridade e saúde. O planejamento deve começar o quanto antes.

Fonte! Este é o editorial do Correio do Povo de Porto Alegre - RS, da edição do dia 07 de abril de 2010.

-----------------------------

Nota do Sítio! E o que tu estás fazendo para encarar esta realidade, pois afinal, tu vais envelhecer, viver mais, vais aumentar as tuas despesas, principalmente para teres e continuares com saúde....

Se tu não estás fazendo nada (ainda), levanta do cepo e comece agora. Algumas coisas podem ser começadas na simplicidade, para leigos como eu e tu:
1 - Se estás endividado, renegocie e acabe com esta dor-de-cabeça;
2 - Se tens cartão de crédito, use com racionalidade, ou cancele-o;
3 - Acabe com as compras parceladas, por impulso e pare de comprar "tranqueiras" que vão ficar no armário e nunca gaste mais do que tu ganhas mensalmente;
4 - Não existe controle financeiro mental. Faça uma "contabilidade" do teu rancho, numa simples planilha, anotando as entradas de dinheiro (salários por exemplo) e saídas (tuas contas pagas). Aí tu vais sentir no bolso da bombacha quantos cobres tu gastas em bobagens que podem ser evitadas;
5 - Pense no longo prazo: pra ti, tua prenda e a criançada, fazendo investimentos para o futuro. Deixe a tradicional caderneta de poupança para as tuas reservas de emergências (que podem ser de três a seis vezes o valor da tua renda mensal). Procure outros produtos financeiros mais rentáveis.
6 - Deixe um pouco de lado as páginas esportiva e policial dos jornais e comece a ler a de economia ,além de revistas especializadas e sítios que abordam a educação financeira....;
7 - Estas são apenas algumas sugestões, e não fazendo nada disso, tu vais te aposentar com a famigerada aposentadoria oficial do INSS, vais trabalhar mesmo estando aposentado e na velhice vais depender dos filhos e olha lá, dos genros e noras....
8 - Ou então, vá pelo caminho da poupança acumulada com fins de aposentadoria (renda variável, imóveis com fins de renda, previdência privada, etc) e um rígido controle financeiro doméstico diário e mensal.

Baita abraço

Valdemar Engroff - o gaúcho taura