quinta-feira, 7 de abril de 2011

País envelhece antes de ficar rico, diz Bird

Relatório aponta que a população brasileira idosa chegará a 49% em 2050




Processo está mais acelerado que nos países mais ricos

Rio - O envelhecimento da população brasileira está mais acelerado do que o observado nos países desenvolvidos, revela estudo divulgado ontem pelo Banco Mundial (Bird). Enquanto a França levou mais de um século para ter um aumento de 7% para 14% da população acima de 65 anos, o Brasil passará pelo mesmo processo em duas décadas, de 2011 a 2031.

O documento "Envelhecendo em um Brasil Mais Velho" alerta que a população idosa no Brasil, que hoje corresponde a 11% da população em idade ativa, em 2050, será de 49%. No mesmo período, a população em idade escolar diminuirá de 50% para 29%, criando "oportunidade única de aumentar o investimento por aluno para níveis comparáveis aos dos países da OCDE (Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento) sem aumentar as pressões nas finanças públicas".

Em meados da década de 20 deste século, a população em idade de trabalhar irá começar a cair e todo o crescimento populacional brasileiro se dará pelo aumento dos idosos. Nos próximos 40 anos, a população vai crescer a uma média de 0,3% ao ano, enquanto os idosos crescerão a uma taxa de 3,2%. Dessa forma, os idosos, que eram 4,9% da população em 1950 e demoraram 60 anos para dobrar essa proporção e chegar a 10,2% em 2010, vão triplicar para 29,7% até 2050. Em números absolutos, eram 2,6 milhões de idosos em 1950, 19,6 milhões em 2010 e serão 64 milhões em 2050.

Segundo o presidente do BNDES, Luciano Coutinho, o envelhecimento da população e a redução da faixa mais jovem pressionarão para cima a remuneração da base da pirâmide. Seria fundamental elevar a produtividade para evitar inflação maior.

Fonte! Chasque publicado no Correio do Povo de Porto Alegre, na edição do dia 07 de abril de 2011. Créditos do retrato: Vinicios Roratto / CP Memória.

...............................

Nota do sítio! Este chasque é um complemento do editorial que publicamos abaixo.

Baita abraço

Valdemar Engroff - o gaúcho taura