sábado, 19 de outubro de 2013

Indústria pode reduzir a oferta de erva-mate nos supermercados

Preço defasado levou produtores a abandonarem o cultivo, provocando falta de matéria-prima


Ervateiras previam a falta de matéria-prima, mas consumo 
aumentou mais que o esperado Foto: Divulgação / Ervateira Valério

Proprietário de uma das maiores ervateiras do Estado, sediada em Arvorezinha, Luiz Dorneles Valério afirma que previa a falta de produto há anos e que, por isso, começou a se estruturar para sentir menos os efeitos. Conveniou produtores, para lhe garantir abastecimento, mapeou as regiões produtoras e investiu em assistência técnica. Mesmo assim, teme que seja insuficiente.

> Produtores de erva-mate comemoram reajuste em torno de 400%> Com aumento do preço, cuia menor é alternativa
— Não posso garantir que um ou outro tipo de erva não vá faltar. Vai depender do consumidor — afirma Valério, que estima que 70% dos consumidores de erva para chimarrão sejam de classe média e baixa.

Outro receio é quanto à sustentabilidade da cadeia produtiva:

— O produtor está bem. Com isso os ervais estão aumentando. Quando a oferta crescer, será que o mercado responderá a altura?

Para tentar regular a oferta e a demanda, o setor criou o Fundo de Desenvolvimento e Inovação da Cadeia Produtiva da Erva-Mate (Fundomate), que deve fixar os objetivos da política para o setor e regulamentar a produção de erva-mate e derivados. O projeto ainda prevê cobrança de uma taxa sobre o volume do produto industrializado. 
 
Fonte! Chasque (postagem) preocupante para os apreciadores do bom chimarrão, de Vanessa Kannenberg, publicado no sítio do jornal Zero Hora, no dia 17 de outubro de 2013. Abra as porteiras clicando em http://zerohora.clicrbs.com.br/rs/economia/campo-e-lavoura/noticia/2013/10/industria-pode-reduzir-a-oferta-de-erva-mate-nos-supermercados-4304222.html