quarta-feira, 25 de julho de 2012

Bolsa acumula baixa de 5%

Se nível de pontuação for rompido para menos de 52 mil, Bovespa pode cair rapidamente aos 47 mil
 Mercados tiveram mais um recuo generalizado ontem, com índices negativos nos EUA, na Europa e na Ásia<br /><b>Crédito: </b>  mario tama / afp / cp
Mercados tiveram mais um recuo generalizado ontem, com índices
 negativos nos EUA, na Europa e na Ásia
Crédito: mario tama / afp / cp       
São Paulo - A Bovespa acompanhou o mau humor generalizado. Registrou o terceiro dia seguido de queda ontem e retornou aos 52 mil pontos, nível que não atingia no fechamento desde 28 de junho. Mais uma vez, Espanha e Grécia voltaram ao foco das atenções, após surgirem dúvidas sobre condições de solvência dos dois países. Dados sobre a atividade dos Estados Unidos também fizeram crescer temores sobre o ritmo da desaceleração da economia norte-americana. Internamente, a queda de quase 5% das ações da Vale contribuiu para a performance negativa da Bolsa. Com isso, o Ibovespa encerrou com declínio de 0,75%, aos 52.638 pontos. Nos três dias seguidos de queda, a Bolsa acumulou perda de 4,9%. No mês, o declínio é de 3,16% e no ano, de 7,25%. O giro financeiro ficou em R$ 6 bilhões.

Para o gestor de investimento da corretora H.H. Picchioni, Paulo Amantéa, os investidores têm impedido a Bolsa de romper um importante suporte, os 52 mil pontos, porque temem que, se isso ocorrer, a baixa chegará aos 47 mil pontos. Por outro lado, Amantéa lembra ainda que está muito difícil superar os 57 mil, nível considerado teto pelo mercado. "Quando romper o piso, vai facilmente aos 47 mil pontos. O investidor está se preparando para uma forte queda que, quando acontecer, será rápida", previu.

A Vale apresentou performance negativa, puxada pelos dados da China e também pela queda de alguns metais. Logo cedo, foi informado o índice preliminar de gerentes de compras chinês do mês de julho. Subiu, mas ainda num cenário de retração, o que afeta o setor de commodities, principalmente minério de ferro. Outro argumento usado ontem para explicar a queda expressiva nas ações da Vale foi a expectativa com o balanço da empresa, que deve ser divulgado hoje Com isso, o preço das ações ordinárias caiu 4,88% e o das preferenciais teve perda de 4,69%. Os papéis da Petrobras também caíram, mas em menor proporção. A ação ordinária desvalorizou 0,77% e a preferencial, 0,9%. O Itaú foi um dos destaques de alta. Fechou com ganho de 3,39%.

Em Nova Iorque, o índice Dow Jones perdeu 0,62%. O Nasdaq recuou um pouco mais: 0,94%.

Fonte! Chasque publicado no jornal Correio do Povo de Porto Alegre - RS, na edição do dia 25 de julho de 2012.

................................

Nota do sítio!

Momentos de baixa na bolsa, são momentos propícios de entrar no mercado, de ir às compras. E tu sabes que não é necessário ter grandes quantias monetárias. Basta vasculhar as corretoras e vais ver que há clubes e fundos de investimentos que aceitam o valor mínimo de investimento em renda variável (ações) a partir de R$ 100,00 por aplicação.
Então, pense bem e quem sabe tu sais da mesmisse, ou seja, da popupança.

Baita abraço

Valdemar Engroff - o gaúcho taura