quarta-feira, 9 de fevereiro de 2011

Atitude 40! Custa muito caro manter um carro! É assustador!

Bueno! Diz a vinheta da propaganda que "brasileiro não vive sem carro". E isto é fato, pois tem tanto carro nas nossas ruas, avenidas e estradas que por qualquer motivo tudo fica congestionado.

E podem ter certeza que, muitos destes veículos vão ser penhorados por falta de pagamento, pois estão financiados em até 84 parcelas mensais, o que é um absurdo. É o caminho que o brasileiro sem educação financeira utiliza para mostrar algum status, pois, se for levar ao pé da letra, mais da metade dos que têm um veículo na garagem, não poderiam ter nem um fusquinha ano 1962.... E muitos destes, que tem veículos caros, turbinados, poderiam no máximo ter um carro popular.

Pois então eu te pergunto! Qual será o percentual de veículos que circulam Brasil afora, que foram comprados à vista, ou seja, o vivente poupou religiosamente seus cobres (dinheiro) para este fim? E a aplicação fez o mesmo render e por fim a compra foi feita com desconto? Vou chutar um percentual de no máximo 15%, pois ainda não temos como deveríamos ter, uma educação financeira disseminada na sociedade brasileira.

Pois bem! Comprei o meu primeiro veículo (zero km) - um Uno Mille Fire 1.0 em janeiro de 2003. Dei uma ótima entrada e um parcelamento em doze vezes. Em outubro de 2004, dei este veículo de entrada e comprei um outro Uno Mille Fire. Foi a maior burrada da minha vida, pois troquei um carro praticamente novo por ou outro zero km, dando mais R$ 5.000,00, totalizando um custo total nesta compra de R$ 19.700,00.

Mas, desde a primeira abastecida, numa planilia ecxel, anoto TODOS OS ABASTECIMENTOS (sempre tanque cheio). E é aí que o vivente começa a sentir no bolso da bombacha o que é manter um carro no seu dia-a-dia. Por isso os analistas em finanças são taxativos quando dizem que "o carro pode ser comprado desde que gere renda para o vivente". Não é o meu caso e não é o caso da maioria dos que compram carro absurdamente financiado. Mas vamos ver quanto o meu carrinho popular  já custou - apenas com gastos em combustível:

Ano         Litros  Vlr Médio     R$      R$ dia
2004     340,315   2,5180 =   793,19     12,20
2005  1.577,322   2,5390 = 3.962,71    10,86
2006  1.150,074   2,6445 = 3.041,41      8,33
2007  1.632,407   2,4756 = 4.041,15     11,07
2008  1.682,522   2,4944 = 4.196,82    11,50
2009  1.617,954   2,4751 = 4.004,63    10,96
2010  1.720,933   2.5302 = 4.354,36    11,93

Trocando em miúdos:
1 - Litros - total de litros de combustível consumido ao longo do ano em questão;
2 - Valor Médio - é o total em dinheiro gasto para abastecer, dividido pelo total de litros de combsutivel consumidos;
3 - R$ - soma total em dinheiro correspondente ao combustível consumido
4 - R$ dia - o resultado é o total de dinheiro gasto nos abastecimentos, dividido pelo total de dias do ano em questão (2004 foi contado a partir de 28 de outubro). Nos demais anos, a divisão sempre é por 365 dias.

De 28 de outubro de 2004 a 31 de dezembro de 2010, foram consumidos 9.721,528 litros de gasolina, ao preço médio de R$ 2,5093, totalizando o montante de R$ 24.394,27, gasto para percorrer 146.510 km.

Mas todos sabem que não é só de combustível que o veículo necessita para se locomover, pois ele necessita de pneus, peças, manutenção, revisões periódicas, trocas de óleo, um seguro contra as barbaridades que o trânsito apronta em termos de acidentes, furtos, roubos e ultimamente as catástrofes climáticas.

E como em abril de 2008 implantei no meu rancho a planilha de gastos e investimentos, a partir de 01 de janeiro de 2009, paralelo a esta, adotei a planilha DiSOP, criada pelo contador Reinaldo Domingues (1), que traz no seu conteúdo, mês a mês e dentro de cada mês, dia por dia, toda a tua movimentação financeira, como entradas de dinheiro (salários por exemplo), investimentos (tuas aplicações financeiras), despesas com residência (água, luz, telefone, supermercado, etc), despesas pessoais (créditos da folha de pagamento, como o INSS, IRRF, seguros, e outras despesas pessoais), com veículos (as abaixo citadas) e diversas (diversão e lazer, almoço/janta em restaurante, salão de beleza, etc). Agora vejam abaixo como foi o comportamento das despesas com o meu carrinho:
ITEM                                             2009         2010
- Combustíveis e lubrificantes  4.256,02   4.523,24
- IPVA...................................     464,02      527,65
- Lavagem/Pedágio/Garagem       253,00      217,60
- Manutenção........................  1.290,11   1.461,10
- Multas................................   .......            68,10
- Pneus, Peças, Acessórios...     2.940,21   1.815,00
- Seguro Total......................    1.351,32   1.291,34
- TOTAL..............................  10.554,86   9.904,83

Agora vejam o estouro que deu: Nestes dois últimos anos, com TODAS AS DESPESAS somadas, o combustível (leia-se gasolina) deu em torno de 40% do custo total. E se fizermos a média de gasto por dia, teremos R$ 28,92 em 2009 e R$ 27,14 em 2010.

Já fomos motivo de matéria num dos maiores sítios que tratam as finanças: o DINHEIRAMA, do parceiro e amigo CONRADO NAVARRO, com o título "A COMPRA DO CARRO E AS DESCULPAS ESFARRAPADAS", no dia 08 de setembro de 2008. E esta publicação gerou muita repercussão. E se o vivente quiser ler o chasque (texto), basta abrir a cancela clicando em http://dinheirama.com/blog/2008/09/08/a-compra-do-carro-e-as-desculpas-esfarrapadas/

Meu ponto de vista e minha conclusão:
1 - Sei que o carro não é investimento e sim um despesa certa. Mas não vou dar uma de louco e vendê-lo por causa do levantamento que mantenho dia-a-dia. Seria o mesmo que por trinta anos deixar de tomar um cafezinho diário e ficar rico.... e deixar de viver.... 
2 - Com todos estes levantamentos, concluo que não posso sair do carro popular e entrar num carro mais "poderoso" (poderoso no preço, no tamanho do tanque, no valor do seguro, etc);
3 - Não existe mágica. Na compra de um carro, existe o ônus e este sempre tem seu preço. Se não puderes comprar um carro na medida, ou seja, que pode ser mantido e À VISTA, farás um péssimo negócio. Só se este veículo for usado para gerar renda, ou seja, utilizado especificamente na tua lida (trabalho).
4 - E o mais importante: NUNCA deixe a tua previdência privada e a da tua família de lado (seja qual for o tipo de investimento) para entrar numa loucura destas de comprar um carro, "pois todo mundo tem um...., menos eu". Aí sim, será loucura total e provável pobreza total pro resto da tua vida.

(1) Reinaldo Domingues: educador e terapeuta financeiro; Presidente do Instituto DiSOP de Educação Financeira; publicou os livros "Terapia Financeira" (2007) e "O Menino do Dinheiro" (2008), ambos pela Editora Gente. Em 2009, idealizou o primeiro Programa DiSOP de Educação Educação para o Ensino Básico do país. Dê uma camperiada em seu sítio: http://www.reinaldodomingues.com.br/.

Baita abraço

Valdemar Engroff - o gaúcho taura!