quarta-feira, 9 de junho de 2010

Poupança e nivel de informação

A caderneta de poupança é a aplicação financeira mais popular do Brasil. Ela é considerada pelos brasileiros como o porto seguro dos investimentos e, pelo fato de não estar sujeita à tributação (para as pessoas físicas), ganha ainda mais simpatizantes.

Contudo, as notícias não são tão cor-de-rosa como seus aplicadores muitas vezes imaginam.

Mesmo sendo isenta de imposto de renda, ela costuma perder feio para uma aplicação, tão segura quanto ela, de nome CDB (Certificado de Depósito Bancário).

Talvez o leitor não saiba, por isso é bom lembrar que ambas aplicações estão protegidas pelo Fundo Garantidor de Créditos (saiba mais em www.fgc.org.br). Logo, em termos de segurança, não há diferença entre aplicar em CDB ou caderneta de poupança na mesma instituição financeira.

Em relação ao rendimento, com o atual nível das taxas de juros, mesmo um CDB negociado a pouco mais de 90% do CDI renderá mais do que a caderneta de poupança, em qualquer prazo de investimento.

Se considerarmos um prazo de investimento superior a dois anos, mesmo um CDB rendendo menos do que 90% do CDI vai certamente superar o rendimento da poupança. Na dúvida, faça suas simulações no site http://www.comdinheiro.com.br/.

Dois costumam ser os fatores que afastam uma pessoa física de um CDB, que rende mais do que a caderneta de poupança.

O primeiro fator é a falta de conhecimento. Mesmo pessoas supostamente esclarecidas financeiramente possuem dinheiro na caderneta de poupança em bancos que estariam dispostos a oferecer CDB com percentual do CDI acima de 90%.

O segundo motivo é a falta de dinheiro suficiente para justificar um CDB acima de 90% do CDI. Isto é, quanto maior for o montante do dinheiro investido, maior é o percentual do CDI que o banco estará disposto a oferecer ao cliente.

Pois bem, se o leitor deliberadamente colocou seus recursos em caderneta de poupança, a conclusão é que o leitor ou se enquadra no primeiro fator ou no segundo.

Se uma pessoa possuir mais de R$ 15 mil em caderneta de poupança, ela não se enquadraria no segundo fator, pois esta é uma quantia que, com um pouco de pesquisa e uma certa dose de paciência, sempre necessária na análise de aplicações financeiras, possibilitaria investimento em CDB com percentual acima de 90% do CDI.

Se o leitor tiver dificuldades de conseguir um bom percentual do CDI, ao negociar a taxa do CDB com seu banco, lembre-se dos bancos menores que oferecem taxas substancialmente maiores e, ainda que sejam mais frágeis do que os grandes bancos, também estão protegidos pelo FGC, que garante as aplicações em CDB até R$ 60.000,00.
 
Fonte! Chasque publicado no dia 31 de maio de 2010, no sítio Brasil Econômico, por Rafael Paschoarelli ( professor de finanças do Departamento de Administração da USP) - http://www.brasileconomico.com.br/