domingo, 22 de fevereiro de 2015

Presidente defende correção de 4,5% da tabela do Imposto de Renda

Dilma explicou que vetou a correção de 6,5% aprovada pelo Congresso porque o Orçamento da União não pode ficar sem a arrecadação

Presidente defende correção de 4,5% da tabela do Imposto de Renda Ichiro Guerra/Divulgação
Foto: Ichiro Guerra / Divulgação

Na manhã desta sexta-feira, a presidente Dilma Rousseff afirmou que o governo federal não abrirá mão do reajuste de 4,5% na tabela do Imposto de Renda na fonte neste ano. Conforme a presidente, o veto à correção de 6,5% aprovada pelo Congresso Nacional se deu pelo fato de o Orçamento da União não poder ficar sem essa arrecadação. As informações são do jornal O Globo.

A correção de 4,5% representa uma renúncia fiscal do governo na ordem de R$ 5 bilhões, R$ 2 bilhões a menos do que se a correção fosse de 6,5%.

— Eu tenho um compromisso, eu vou cumprir meu compromisso: é 4,5%. Eu sinto muito (se o Congresso fizer diferente), porque nós não estamos vetando porque queremos, nós estamos vetando porque não cabe no Orçamento público. É algo assim — disse Dilma, conforme registro de O Globo.

— Se por algum motivo não quiserem os 4,5%, nós vamos ter que abrir um processo de discussão novamente. O governo tem condições perfeitamente de agora olhar os 4,5%. É isso que nós faremos — acrescentou.

Fonte! Chasque (matéria) publicado no sítio oficial do Clic RBS (ZH Economia) no dia 20 de fevereiro de 2015. Abra as porteiras clicando em http://zh.clicrbs.com.br/rs/noticias/economia/noticia/2015/02/presidente-defende-correcao-de-4-5-da-tabela-do-imposto-de-renda-4703907.html