segunda-feira, 7 de janeiro de 2013

Atitude 67! Chegaram os meus primeiros carnês de 2013!!!!

Bueno! Boleio a perna pra te dar um oh de casa e te convidar para um mate.

Nesta primeira prosa de 2013, vamos abordar um assunto que muitas vezes assusta a gauchada. Assusta pois quando não há controle dos cobres (dinheiro); quando não há um orçamento doméstico atualizado diariamente em planilhas mensais; quando os gastos são maiores que a renda familiar, somado ao falso status que a sociedade muitas vezes nos impõe, de ir às compras que nem cavalo quando dispara e sem freio no buçal, o resultado é um grande desastre financeiro no bolso da bombacha.

E aí, estarás a um passo de ver o estouro na tua conta bancária e se o vivente gosta de "colecionar carnês", vai chegar o momento em que vai "sortear" pagamentos no início do mês. Como se diz aqui no Rio Grande do Sul: "aí a vaca foi pro brejo", ou, "se foi o boi com as cordas"....

Bueno! Dali apor diante, estarás a um passo da bola de neve e da tua própria insolvência.

Este é o lado ruim dos CARNÊS, da compra desenfreada, da falsa compra proposta em dez, doze ou mais parcela sem juros. 

Falsa pois não existe parcelamento sem juros. E se existe, deve existir um bom desconto pra quem se propõe a pagar à vista e podem acreditar, quanto maior o bolicheiro (o comerciante), menores são as chances de tu conseguires barganhar um bom desconto, mínimo que seja.

Mas, aqui no nosso rancho (na nossa humilde residência....), em dezembro recebemos os nossos carnês de 2013. Eram esperados desde o início daquele mês, de minha parte, com certa ansiedade. São quatro carnês, com doze parcelas mensais cada, com vencimento no dia dez do mês seguinte (meu, da esposa e das duas filhas).

Mas são carnês que eu enquadro como NOSSOS PAGAMENTOS, onde, quando recebemos os nossos proventos mensais, NÓS NOS PAGAMOS PRIMEIRO.

São carnês de PREVIDÊNCIA PRIVADA - da Mapfre Seguros, onde religiosamente depositamos alguns cobres pensando no futuro, para quando a velhice nos disser "oh de casa! Cheguei pra te fazer companhia e pra tomar mate"....

No mercado financeiro os produtos VGBL e PGBL são  os que mais crescem , apesar da queda dos juros no mercado (Selic). O importante, se investir em produtos deste naipe (VGBL e/ou PGBL), deve-se procurar no sistema financeiro, entidades que não tenham taxas administrativas e de carregamento muito salgadas (altas). 

Mas aqui deixamos um chasque (lembrete): nunca se deve jogar todos os ovos numa única cesta, ou seja, NUNCA se deve investir em um único produto financeiro (invista em alguns produtos, entre os conservadores como a velha poupança, até os de maior risco, como o mercado acionário), pois o risco de investir tudo num produto ou numa única instituição financeira, é o que fundo garantidor não cobre (acima dos R$ 70.000,00 para a grande maioria destes produtos financeiros), quando na falência desta instituição financeira, ou quando há uma perda de valor no mercado deste produto financeiro onde estás investindo (como a queda vertiginosa do valor de uma ação na bolsa de valores. No mercado de ações, o fundo garantidor não cobre um níquel sequer... e isso faz parte do risco do próprio negócio / investimento).

Baita abraço

Valdemar Engroff - o gaúcho taura!