sexta-feira, 29 de dezembro de 2017

Atitude 95! Os dez anos do Orçamento de Galpão e os nove anos deste Sítio

Nós: peão e prendas (séc.passado)
Buenas gauchada do Rio Grande e de toda esta terra em redor que chamamos de mundo! 

Tudo teve um início. E o início deste modesto galpão virtual (sítio, blog), sem porteiras, sem aramados, sem cercas para ultrapassar, teve o carregamento do seu primeiro chasque (postagem) no dia 18 de dezembro de 2009. 

Portanto, há nove anos, com o título "Estamos chegando a galope". Basta abrir as porteiras clicando em http://obolsodabombacha.blogspot.com.br/2009/12/estamos-chegando-galope.html


E o objetivo nosso de criar, de construir este galpão (blog) foi simples: fazer com que o seu criador (este gaúcho de botas, bombachas, guaiaca, mais o seu lenço maragato (vermelho)), parasse de ver somente as páginas esportivas dos jornais, programas esportivos da Rádio Guaíba de Porto Alegre (RS), sítios esportivos na internet e programas esportivas na televisão, e sim, adentrasse que nem num tranco de vanera (dança de baile gaúcho em galpão de CTG - Centro de Tradições Gaúchas), nas páginas de economia, tanto de jornais, revistas, internet, rádio e televisão.
Orçamento doméstico: em planilha excel. Mais simplão que painel de Jipe
Em abril de 2008 iniciamos o nosso orçamento doméstico. Somos uma família da classe média, que não parcela nem pensamento. Eu particularmente não parcelo nada, nem programas televisivos. Por isso, o "carnê da casa própria" que chamam de novela, está DELETADO, assim como os programas com alguns capítulos, que chamo de "compra em dez vezes pelo preço à vista".

Aqui neste modesto galpão, o linguajar dos nossos chasques (postagens próprias) são de um sotaque de galpão, carregado de linguajar de galpão da sociedade tradicionalista, o gauchês, por isso, quando tu leres um vocábulo de galpão, ele estará em bom português entre parênteses.

Já comentamos em outras oportunidades que o sítio Dinheirama - www.dinheirama.com, foi o primeiro galpão de finanças pessoais e economia que me chamou atenção.  Depois muitos outros sítios desta área e vieram os eventos EXPOMONEY, que infelizmente acabaram, pois eram eventos sobre finanças pessoais, investimentos e empreendedorismo que circulavam o ano todo por todo o país, e terminavam em Porto Alegre em dezembro.

28 de janeiro de 1989
Casamos em 1989. Eu já com meus trinta anos de vida. Fielmente tive, desde a primeira assinatura de contrato de trabalho, os meus descontos para o INSS, para fins de aposentadoria oficial. A esposa Marilene pagava o seu carnê do INSS, também para fins de aposentadoria oficial. Chegaram as crianças - a Bibiane em 1990 e a Ana Paula em 1997. E a minha preocupação era tanto para mim, pra esposa e as crianças, em algo além do INSS.

Me inscrevi em 1993 no Fundo de Pensão FAPERS, patrocinado pela empresa onde trabalho, a EMATER RS. Mas ela estava sob intervenção e não aceitava novos associados. Fiquei "na fila" por dez anos, quando a intervenção cessou e novas inscrições eram aceitas. Então, comecei a contribuir aos 40 anos de idade (isso quer dizer que só ali tem um atraso em investimentos, entre 15 e 20 anos, para fins de aposentadoria complementar). Mas a preocupação continuava: e a esposa e as crianças???

Pela ordem: Marilene, Bibiane, Ana Paula e Valdemar
Mas neste ínterim, neste período, construimos nosso rancho, nossa casa. Como acima citamos, não gostamos de parcelamentos, mas adotamos o financiamento da casa em pequenos empréstimos via cooperativa de crédito mútuo, dos servidores da EMATER RS, a CRESAL, onde estes financiamentos são as famosas exceções à regra. Em dez anos a casa estava pronta e quitada. E ainda recebíamos (e continuamos recebendo até ohe) após a assembleia geral, em março de cada ano, sobras sobre o capital na cooperativa e pelos empréstimos tomados. Nada de empréstimo tomado do antigo BNH ou no atual Sistema Financeira da Habitação ou ainda, no mercado financeiro tradicional, para pagar em trinta anos ou mais, pois isso é o real suicídio financeiro de um lar, de uma família, pois pagas-se pelo mesmo imóvel que se compra, mais um em forma de juros.

Mas em 2008, abriram se as porteiras para investimentos para fins de aposentadoria complementar, para todos (eu, a esposa e as crianças). Já estava contribuindo na FAPERS, e entramos no mercado tradicional e selvagem, dos bancos, que cobram altíssimas taxas de administração e carregamento, com um PGBL pra mim e um VGBL para cada prenda (Marilene, Bibiane e Ana Paula), onde prenda é o adjetivo carinhoso para a mulher gaúcha. E começamos a "bisbilhotar" os sítios de corretoras, primeiramente abrimos conta na Gradual e depois migramos os pequenos investimentos dali para a XP, onde estamos até hoje. Começamos com a afilhada Derives e posteriormente no Grupo L & S (antigo grupo Leandro & Stormer). E hoje, dez anos após, já temos um bom capital, tanto na FAPERS, bem como na XP.

E como se diz por aqui no Sul desta terra que chamamos de mundo, o tempo passa, o tempo voa e ultimamente tenho dito que o tempo dispara.... e em 2017 chegou a aposentadoria oficial para mim, mas faço de conta que a mesma não existe. Ela é 100% investida, e não tenho prazo para parar na lida (de parar de trabalhar).

Como comentamos anteriormente, o nosso orçamento doméstico em abril fez aniversário. São dez anos de dados lançados em planilhas excel e na planilha criada pelo contador e educador financeiro Reinaldo Domingos: a planilha Disop.

Primeira arte do sítio: 18 de dezembro de 2009
E o sítio O Bolso da Bombacha, fechou nove anos no ar, na internet, com linguajar e redação próprios (de galpão, de roda de chimarrão, ao pé do fogo de chão), e que também leva chasques (postagens) da linha de finanças pessoas e de economia da mídia do Rio Grande do Sul e de toda esta terra que chamamos de mundo. 

Neste dia - 29 de dezembro de 2017, final do dia, estamos com 139.520 acessos, conforme contador de visitas instalado no sítio. Os chasques (postagens) com mais acessos são:
1 - Quantos zeros tem um trilhão?, com 17.057 acessos
2 - Você tem costume de tomar chimarrão?, com 4.721 visitas
3 - Nove maneiras estúpidas de usar o seu próprio dinheiro, com 1.395 visitas
4 - Atitude 93! Estamos nos programando para entrar em 2018 na ponta dos cascos, com 1.192 acessos
5 - Como vive o gaúcho que acumulou US$ 2,4 bilhões, com 1.115 acessos.

Os maiores acessos em termos de países são: Brasil, Estados Unidos, Rússia, Alemanha, Ucrânia, China, Portugal, França, Malásia, Polônia, entre outros.


Agradecimento especial ao irmão que a tradição gaúcha me deu. Um carioca, torcedor fanático do Botafogo, simpatizante do Internacional, que aderiu a cultura tradicionalista do Sul do Brasil a partir de um trabalho escolar que enfocava a cultura regional do Rio Grande do Sul, que é o criador da arte da capa deste sítio. O nome do chirú (nome dele) é Valmir Gomes. Seu sítio tradicionalista é O Cariucho e o Tradicionalismo - www.ocariucho.com.br

Ano novo: entrar bailando e continuar investindo!
Aproveitamos a oportunidade para desejar a todos um baita 2018 e que todos os sonhos se realizem, de fato, em especial, os que envolvem os investimentos, as finanças, os cobres, o bolso da bombacha.

E nada melhor do que entrar no ano de 2018.... bailando no autêntico compasso de um fandango gaúcho em galpão de CTG - Centro de Tradições Gaúchas.... e continuar investindo, rumo à segurança financeira e posterior independência financeira....

Até o próximo chasque (postagem) aqui no sítio O Bolso da Bombacha.

Valdemar Engroff - o gaúcho taura!